Flavio Cruz

Um poema cheio de luz

E o poeta fez um poema,

um poema tão cheio de luz,

tanta era a luz que ele tinha,

que ele pairava no ar...

Era tão leve esse poema,

tão gentil, tão cheio de doçura,

que a toda gente encantava,

a todos enchia de amor...

Todos aqueles lindos versos,

a moça, que era tão carente,

logo, para si, tão somente,

quis, muito ansiosa, guardar.

Quis todos versos, um a um,

mais todas as sonoras rimas,

em sua alma, bem lá no fundo ,

com todo o ardor segurar...

Mas que nada, todo o esforço,

foi inútil, foi tudo em vão...

O poema de tão leve que era,

foi então subindo, subindo,

e lá em cima, lá nas nuvens,

com muitos anjos foi morar...

A moça, cá na terra, triste,

ninguém a podia consolar...

O poeta, gentil, então,

dela já se compadeceu.

Por que toda essa tristeza?

Por que tanto esse poema,

assim causou teu cobiçar?

Não vês que és tu, na verdade,

a única, ímpar, razão,,

desse meu febril poetar?

Como não vês que és tu mesma,

a luz, leve, doce, suave,

pairando tal qual bailarina,

etérea, divina, no ar?

 

 

 

 

Todos los derechos pertenecen a su autor. Ha sido publicado en e-Stories.org a solicitud de Flavio Cruz.
Publicado en e-Stories.org el 09.08.2021.

 

Comentarios de nuestros lectores (0)


Tu comentario

¡A nuestros autores y a e-Stories.org les gustaría saber tu opinión! ¡Pero por favor, te pedimos que comentes el relato corto o poema sin insultar personalmente a nuestros autores!

Por favor elige

Post anterior Post siguiente

¿Este novel/poem viola la ley o el reglamento de publicación de e-Stories.org?
¡Por favor, infórmanos!

Author: Changes could be made in our members-area!

Mas de"Poema lírico" (Poemas)

Otras obras de Flavio Cruz

Did you like it?
Please have a look at:

Conhecimentos - Flavio Cruz (Vida)
The secret is ... - Inge Hoppe-Grabinger (Psicológico)