Flavio Cruz

O padre francês

No seminário havia duas capelas. Uma, onde os seminaristas assistiam às missas, ouviam sermões, rezavam, rezavam e... rezavam. Às vezes me sinto no direito de não mais precisar fazê-lo pois minha contabilidade ainda deve estar positiva nessa área. Havia, entretanto, outra capela. Era do outro lado da propriedade. Exceto pelo domingo, não havia fiéis frequentando. Ela tinha pelo menos uns 10 altares laterais, com uma função bem específica. Havia muitos padres no seminário, e eles – cada um deles – tinha de rezar sua missa.
Havia sempre um sacristão encarregado de preparar os altares para os padres. Houve um ano em que essa era a minha função. Cuidadosamente, eu abria uma caixa de metal, retirava uma hóstia e a colocava sobre um pires – acho que era de prata – que, por sua vez ia sobre o cálice. As galhetas, uma eu enchia com água e outra com vinho. O vinho, nunca vou me esquecer, era o “Pindorama” e tinha um cheiro delicioso. Preparava todos os altares e eles começavam a descer de seus aposentos. Uns faziam missas mais longas, outros, missas mais curtas. Eu os ajudava durante a cerimônia até a hora em que tinha de subir para o refeitório, onde iria tomar o café da manhã.
Se você conhece alguma coisa sobre a igreja católica, deve saber que a parte mais importante da missa é a consagração, a parte onde, pelo poder divino do sacerdote, o vinho se torna o sangue de Cristo, e o pão – no caso, a hóstia – se torna o corpo. Isso é uma coisa básica. Por isso é que havia algo que acontecia ali, que era, no mínimo, bizarra. Havia um padre, francês, que mal falava Português, que tinha muito sono de manhã. Seus olhos vinham pesados para o altar.  Muitas vezes eu o ajudava na cerimônia. E não é que, vez ou outra, ele se esquecia da parte da consagração? Como pode? É como fazer um jogo de futebol sem a bola, mal comparando. Para mim, era um sacrilégio e certamente seria para seus colegas. Mas aquilo era um segredo. Para ele, porque estava quase dormindo e nem percebia. Para mim, porque eu jamais falaria isso para alguém.
Confesso, porém, que eu também tinha meus segredos. Sabe o vinho “Pindorama” aquele que tinha um cheiro delicioso? Não é que o gosto também era divino?  Desculpe a ousadia de minhas palavras. Quase todo dia eu experimentava um pouquinho, às vezes mais do que um pouquinho. Precisava, vez ou outra, comer algumas hóstias para aliviar o efeito do álcool. Claro, não eram consagradas. Eu não era um pecador como o padre Jacques Lafévre. Deus me livre, missa sem consagração! O Lafévre, nem tenho certeza do nome, certamente ainda estava com sono quando ia para o seu delicioso café da manhã, depois da missa. Ou diria, quase missa?  Talvez por causa do clima dos trópicos? E eu ia, alegre, muitas vezes, bem alegre, para o meu café da manhã, também. Um café bem mais simples do que o dele. Meu pecado, também, era bem mais simples que o dele e eu era apenas um garoto... Imaginem, esquecer da consagração...

 

Todos los derechos pertenecen a su autor. Ha sido publicado en e-Stories.org a solicitud de Flavio Cruz.
Publicado en e-Stories.org el 15.03.2015.

 

Comentarios de nuestros lectores (0)


Tu comentario

¡A nuestros autores y a e-Stories.org les gustaría saber tu opinión! ¡Pero por favor, te pedimos que comentes el relato corto o poema sin insultar personalmente a nuestros autores!

Por favor elige

Post anterior Post siguiente

¿Este novel/poem viola la ley o el reglamento de publicación de e-Stories.org?
¡Por favor, infórmanos!

Author: Changes could be made in our members-area!

Mas de"Cotidiano" (Relatos Cortos)

Otras obras de Flavio Cruz

Did you like it?
Please have a look at:

O oitavo dia - Flavio Cruz (Fantasía)
El Tercer Secreto - Mercedes Torija Maíllo (Ciencia-Ficción)