Flavio Cruz

A modelo

A modelo modela na passarela.

Com graça, beleza de uma garça, deixa o corpo cair, pra lá e pra cá. O corpo não cai, só balança, e em cada balanço, disfarça uma lágrima.

Parece um pássaro. Bate asas devagar, sem voar. É uma beleza só.

Tudo que ela veste, se veste de  cor, se veste de amor, se difunde no ar.

Suavidade sem par.

A modelo parece tão leve... Parece flutuar. Parece voar.

A modelo é tão bela.

A modelo modela.

Mas ninguém sabe, o que lá no fundo, se passa dentro dela.

Ela também sente dor, falta de amor, coitada dela...

Tão sozinha, tão suave, tão graciosa, tão bela...

Passa pela passarela

E deixa toda tristeza nela...

 

Todos los derechos pertenecen a su autor. Ha sido publicado en e-Stories.org a solicitud de Flavio Cruz.
Publicado en e-Stories.org el 12.04.2015.

 

Comentarios de nuestros lectores (0)


Tu comentario

¡A nuestros autores y a e-Stories.org les gustaría saber tu opinión! ¡Pero por favor, te pedimos que comentes el relato corto o poema sin insultar personalmente a nuestros autores!

Por favor elige

Post anterior Post siguiente

¿Este novel/poem viola la ley o el reglamento de publicación de e-Stories.org?
¡Por favor, infórmanos!

Author: Changes could be made in our members-area!

Mas de"Soledad" (Poemas)

Otras obras de Flavio Cruz

Did you like it?
Please have a look at:

Uma alma cansada - Flavio Cruz (Filosófico)
Fin d´Octobre à Avignon - Rainer Tiemann (Soledad)
Silent Mood - Inge Offermann (Amor & Romance)