Flavio Cruz

Fazendo sentido

Fazendo sentido

O homem come em frente da televisão,   

a estrela polar está fora de lugar,

e, por pura preguiça, o rei renunciou.

Na geladeira ainda há comida,

mas o buraco negro da Via-Láctea,

de repente, sublime, revelou-se,

colorindo toda a galáxia.

Certo estou de que, sorrateiro,

para outra dimensão nos levou.

Na TV há notícias que não saíram,

para que as que nunca aconteceram,

finalmente, livres, pudessem sair.

Vimos coisas que eles não viram,  

e que aconteceram durante a calmaria.

Há um caos sólido no meio da harmonia, 

e uma doce anarquia ressuscitada.

Os anjos finalmente se revelaram,

são feitos de atômicas partículas,

quânticas, randômicas, inusitadas.

Estão de férias definitivas, porém.

Estou tentando fazer sentido,

mas você também precisa me ajudar.

Que sentido, que nada, chega de lógica!

Se o mundo não faz sentido,

por que o poeta haveria de?

 

Todos los derechos pertenecen a su autor. Ha sido publicado en e-Stories.org a solicitud de Flavio Cruz.
Publicado en e-Stories.org el 12.08.2017.

 

Comentarios de nuestros lectores (0)


Tu comentario

¡A nuestros autores y a e-Stories.org les gustaría saber tu opinión! ¡Pero por favor, te pedimos que comentes el relato corto o poema sin insultar personalmente a nuestros autores!

Por favor elige

Post anterior Post siguiente

¿Este novel/poem viola la ley o el reglamento de publicación de e-Stories.org?
¡Por favor, infórmanos!

Author: Changes could be made in our members-area!

Mas de"General" (Poemas)

Otras obras de Flavio Cruz

Did you like it?
Please have a look at:

Rimas fatais - Flavio Cruz (Vida)
RENAISSANCE - Mani Junio (General)
Le isole della pace (Übersetzung von Inseln der Ruhe) - Ursula Mori (Vida)