Flavio Cruz

De novo, a sonhar

 
Eu era uma criança e sonhava.
Depois cresci e jovem me tornei
e com muito mais intensidade,
mais seriedade, continuei
meus sonhos a cultivar.
Uns sonhos em parte ocorreram,
outros nem sequer pela metade
ousaram me acontecer.
Aprendi a enfrentar a dura vida
aprendi a viver sem sonhar,
a vida na totalidade, encarar.
Depois de duras quedas,
grandes, sofridos dramas,
minha alma entorpeceu e
de todo delírio se esqueceu.
Então, lá do fundo de mim
alguém me disse, num sussuro:
Tenta novamente, com calma,
eu posso muito bem te ensinar,
a novas quimeras elaborar.
E eu, tolo, inocente, acreditei,
e me pus de novo a sonhar…

 

Todos los derechos pertenecen a su autor. Ha sido publicado en e-Stories.org a solicitud de Flavio Cruz.
Publicado en e-Stories.org el 06.02.2016.

 

Comentarios de nuestros lectores (0)


Tu comentario

¡A nuestros autores y a e-Stories.org les gustaría saber tu opinión! ¡Pero por favor, te pedimos que comentes el relato corto o poema sin insultar personalmente a nuestros autores!

Por favor elige

Post anterior Post siguiente

¿Este novel/poem viola la ley o el reglamento de publicación de e-Stories.org?
¡Por favor, infórmanos!

Author: Changes could be made in our members-area!

Mas de"Fantasía" (Poemas)

Otras obras de Flavio Cruz

Did you like it?
Please have a look at:

Estou aprendendo - Flavio Cruz (Vida)
The Power of Darkness - Ramona Benouadah (Fantasía)
Only three words...❣️ - Ursula Rischanek (Amor & Romance)